estantes

Lisboa, como é boa

Lisboa, como é boa

Postado por em dez 17, 2014 em Blog, Viagem | 3 comentários

Cidade especial. Cada canto lembra algum lugar do Brasil: uma rua de bares que parece São Paulo, uma ladeira de casas coloridas como as de Olinda, um largo aberto com os do centro do Rio de Janeiro… mas, só lembra por que de igual mesmo não tem muita coisa. Talvez as pedrinhas da calçada.

O ideal é ficar lá muitos dias. Conheço pessoas que inclusive resolveram passar alguns anos. Porém, sei que a maioria vai para aproveitar as férias, então, sugiro no mínimo quatro dias inteiros. Isso, sem contar passeios para as vizinhas Cascais, Estoril e Sintra.

Onde ficar: Hotel Botânico (Rua Mãe D’água, 16-20). É ok, funciona, tem café da manhã, é bem localizado, mas não é bonito. Esse foi o que eu fiquei. Como outras capitais europeias, Lisboa tem preços mais caros de hospedagem se comparada a outras cidades, então não é tão simples achar um bom custo-benefício. O Airbnb pode ser uma saída. Nele, você procura apartamentos ou quartos nas casas das pessoas e negocia um preço que costuma ficar mais baixo do que na indústria hoteleira. E, muitas vezes, acaba sendo uma experiência superagradável.

Por onde turistar:
Lisboa Baixa: Largo do Rossio, Rua Augusta, Praça do Comércio. Essa é a parte, ÓBVIO, baixa da cidade. É também o centro fervilhante, onde todo mundo caminha rápido, sabe? Os restaurantes daqui são, em sua maioria, pega-turista. Vá até a área do Chiado ou se guie pelo Trip Advisor (tem app para o celular) para encontrar onde comer. O legal nessa área é passear a esmo, observar a arquitetura, entrar nas mil lojinhas de artesanato, louças e afins.
IMG_6607
Souvenirs que podem ser encontrados nas lojas do Baixo Lisboa

Por ali também ficam os Armazéns do Chiado, ótimos para fazer compras, sobre os quais falarei mais abaixo. Tem também a rua homônima a nossa aqui de São Paulo, a Augusta. Só que essa é mais comportada, praticamente ocupada pelo comércio. Tem Zara, H&M, Mango… termina na Praça do Comércio, um belo largo com vista para o Tejo, que mais parece um mar. Se você for seguindo pela margem do rio, chega até a zona do Cais do Sodré, e no caminho passa por bares gostosos de sentar e por um “jardim” estilizado feito por um artista local. É um passeio legal, que pode ser feito de bicicleta.
IMG_6460
Rua Augusta

bonde
Bonde que liga a parte baixa à alta
IMG_6432
“Jardim” na margem do Tejo

Antes disso, sugiro parar no MUDE (Museu do Design e da Moda) que fica na Augusta. A entrada é grátis. Tem um acervo bem bacana, que vai de Pucci a irmãos Campana, e sempre tem alguma exposição extra. Eu vi uma do André Saraiva, artista português moderno, que faz instalações baseadas na cultura pop e no grafite. Gostei bastante.
IMG_6441
Fachada do museu

Zona do Porto – Cais do Sodré: essa é a região próxima ao porto. Hoje, já não é tão movimentada por conta do comércio hidroviário, mas sim, por conta da vida gastronômica e noturna que surgiu por lá. Tem também uma importante estação de trem e metrô, de mesmo nome, com interligações para várias áreas da cidade. O Mercado da Ribeira, centro de comercialização de alimentos tradicional da cidade, foi reformulado e hoje abriga estandes de chefs renomados, assim como de restaurantes e doçarias. Imperdível! Lá perto também fica a rua cor-de-rosa, cujo pavimento é pintado nesse tom, cheia de baladas, que ferve depois das 23h.
IMG_6517
Rua cor-de-rosa

Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém: essas duas atrações estão bem próximas, por isso tome o trem (elétrico 15E) que sai da Praça da Figueira e vá às duas no mesmo dia. Uma dica: a estação Belém fica próxima à Pastelaria de Belém e não à Torre de Belém. Para chegar à Torre, desça na estação Mosteiro dos Jerónimos. Ou desça antes, coma uns três pastéis e vá andando ;) A Torre e o Mosteiro são obras arquitetônicas impressionantes. E foi da Torre que Cabral saiu para descobri o quê? Pois é, tem que ir e comer o pastel, que também é uma obrigação cultural em Portugal, não custa reforçar.
IMG_6553
Mosteiro dos Jerónimos

IMG_6587
Torre de Belém

Chiado e Bairro Alto: você pode chegar até essa região andando desde a parte baixa, mas, obviamente, terá que ter força nas canelas. Caso prefira, pegue o metrô e desça nas estações de mesmos nomes ou tome um taxi. Taxi não sai tão caro em Lisboa. Esses são bairros cheios de bares e restaurantes. Alguns lugares que valem uma passada: 1. Cervejaria Trindade (Rua Nova da Trindade 20 C), que era um convento e hoje serve cervejas e iguarias culinárias tradicionais muito boas. Os doces são feitos lá e são divinos. Aproveite para sair um pouco dos pastéis e peça um mousse de chocolate ou um pavê. Eles também são craques em mousses em Portugal, gente, descobri isso lá. Olha, se eu não voltei com diabetes foi por que Deus não quis, viu? 2. O Café A Brasileira (Rua Garrett 120) foi fundado em 1905 e vendia o melhor café brasileiro. Não fazia muito sucesso por lá até que virou ponto de encontro de grandes poetas, escritores e intelectuais da época. Na frente, tem uma estátua do Fernando Pessoa, ótima para fazer aquela foto de turista. 3. A Livraria Bertrand Chiado (Rua Garrett, 73-75) é a mais antiga do mundo em atividade. Fundada em 1732, ainda tá lá e registrada no Guinness Book. Eu fiz essa foto fofa do cachorro que não mostra nada, mas tudo bem.
IMG_6396

IMG_6469
Cervejaria Trindade

Onde comer: Mercado da Ribeira, Cervejaria Trindade, Pastelaria de Belém e restaurantes do José Avillez- Café Lisboa, Belcanto e Mini Bar.

O Mercado da Ribeira é maravilhoso! Tem opções para todos os gostos. E também dá para comprar quitutes para trazer pro Brasil. Eles estão super acostumados com isso, embalam a vácuo e tals. Dá para trazer queijo da Serra da Estrela, bombons de vinho do Porto, presunto de belota, vinhos, tem noção!? Bom, conto o que comi para ajudar na decisão de alguém, quem sabe? Experimentei o porco confitado, a salada de polvo e o cuscuz do Henrique Sá Pessoa, o menu degustação de cinco pratos da Marlene Vieira e o mousse de chocolate da Nós é Mais Bolos, cujo pão de ló também é de comer chorando. Sai por volta de 2o e poucos euros uma entrada, um prato, uma taça de vinho e uma sobremesa. Pelamordedeus viu, se eu morasse lá ia uma vez por semana.
IMG_6533
Vista do Mercado

IMG_6521
Salada de polvo

IMG_6523
Porco confitado

IMG_6614
Menu degustação da Marlene Vieira

Bom, além disso, NÃO DEIXE DE IR na Pastelaria de Belém. Vai ter um milhão de pessoas na frente, uma fila monstra para pegar os docinhos para levar, porém não se assuste. A rotatividade é alta e logo vaga uma mesa. Sente-se e prepare-se para comer pasteizinhos de nata recém-assados, que vêm com um potinho de canela e açúcar para você polvilhar na hora. O local tem um cheiro de doce no ar, uma coisa. Essa iguaria já entrou para diversas listas de melhores comidas do mundo.

José Avillez é um chef renomado em Portugal, com livros publicados e restaurantes que vão do tradicional revisitado ao moderno. Eu só fui em um, pois assim permitia o orçamento e a paciência dos meus companheiros de viagem. Fui no Café Lisboa (Largo de São Carlos, 23), que fica anexado ao Teatro São Carlos. Um lugar fofo e com personalidade, uma vez que fica num local histórico. A comida é mais simples do que na casa mais famosa, o Belcanto, e mais comida mesmo do que os petiscos oferecidos no Mini Bar. Pode parecer mega estranho o que pedi no Café, mas achei bom de verdade. Foi um pastel, igual a esses que comemos nas feiras do Brasil, recheado de carne de panela, servido com arroz de grelos (isso é só uma verdurinha irmã da couve, calma). De sobremesa, pedi toucinho do céu com sorbet de framboesa. Não foi uma refeição muito cara, só não lembro exatamente quanto custou. Sorry. Ah, é prudente fazer uma reserva. E nos fins de semana, nem pense em tentar jantar em qualquer restaurante melhorzinho de Lisboa sem uma. Tentei encontrar algum site que faça reservas online em Portugal, mas parece que essa facilidade moderna ainda não chegou lá. O jeito é ligar nos estabelecimentos mesmo.
IMG_6594
Pastel de carne com arroz de grelos

Onde fazer compras: Armazéns do Chiado, Rua Pedro V, Rua do Alecrim, Avenida Liberdade e Primark.

Os Armazéns do Chiado têm esse nome estranho, mas nada mais são do que um shopping. Fica em uma ladeira, entre a parte baixa e a alta da cidade, dentro tem Sephora, Kiko e Fnac, entre outras. Na mesma rua, tem uma H&M gigante, com a parte de home décor, que ainda é rara na Europa, Zara e Muji, uma loja japonesa de tranqueiras incríveis, tipo um secador de viagem, superpotente, de 10 cm.

A Rua Pedro V é a mais fashion da capital Portuguesa, com lojas de estilistas locais e algumas multistores conceituais, daquelas tipo Urban Outfitters e Anthropologie. Já a Rua do Alecrim, é uma que sobe do cais para o bairro alto e tem um ar mais moderninho, com lojas de roupa, de objetos para casa e galerias de artistas, bem bacana. A Avenida Liberdade é a Champs-Élysées dos portugas, com flagships de Chanel para cima, mas também algumas coisas mais acessíveis tipo Mango e COS.
alexandraamouro
Loja da Alexandra Moura, na Rua Pedro V

Por fim, a Primark é o paraíso de todos nós. Barata, com muitas opções de roupas, para todos os gostos. E quando digo barata, é baraaaaaata. Fica um pouco longe, porém, se você gosta de umas coisinhas diferentes e a preços bem legalzões, vá lá, de metrô. Fica na estação Colégio Militar, perto do estádio do Benfica. Uma ideia é: os meninos podem ver um jogo e as meninas vão comprar, que tal? Bom, eu iria ver o jogo também e depois arrastaria o boy para a loja, já que tá pertinho né.

Onde sair à noite: Na rua cor-de-rosa, que fica na área do cais, ou pelos bares do Bairro Alto.

Pode pular: Castelo de São Jorge. Eu achei sem graça.

Ufa, acho que é isso! Tem muito mais em Lisboa na real, porém, do que conheci, tá tudo aqui :)

CompartilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Pin on Pinterest0Share on Google+0

    3 Comentários

  1. Eu assisti ao show do Tom Jobim dentro do Mosteiro dos Jeronimos e foi uma apresentação inesquecivel!

    • Nossa, deve ter sido memorável mesmo <3

    • Lá é lindo demais, deve ter sido uma experiência incrível

Responder

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 

Desenvolvido por