estantes

Não Sou uma Dessas, o livro da Lena Dunham

Não Sou uma Dessas, o livro da Lena Dunham

Postado por em jan 26, 2015 em Blog, Literatura, TV | 0 comentários

Não Sou Uma Dessas é a autobiografia de Lena Dunham, que é atriz, escritora, roteirista, diretora e produtora. Ela bateu cartão em todas essas funções no filme independente Tiny Furniture, em 2010, e atualmente na série da HBO Girls, que está em sua quarta temporada e é exibida pelo canal aqui de domingo para segunda-feira, às 0h. O show já foi indicado para todos os grandes prêmios da TV norte-americana e ganhou um Globo de Ouro de melhor comédia. A moça tem 28 anos e já fez tudo isso.
Processed with VSCOcam with t1 preset

Quando se pensa em uma biografia, logo se avalia as credenciais ou a idade do biografado para saber se a obra merecia ganhar vida. Não é? Bom, Lena já conquistou muito bastante jovem, portanto parece que rende um personagem. Mas, acho que isso não importa. Para me explicar, vou usar uma cena de sua série – não tem como não falar do programa aqui, porém prometo que serão spoilers beeeem de leve, detesto estragar a diversão alheia e espero com eles causar mais interesse e gerar fãs para as meninas.

A personagem de Lena em Girls é baseada nela própria. A dita cuja, Hanna, participa de um workshop literário e seus colegas criticam ferozmente o texto que ela apresentou, argumentando que a história era muito baseada em eventos pessoais. A professora então interrompe e diz: tudo o que entrar nessa sala será tratado como ficção.

O livro de Lena não deve ser julgado como pretensioso por ter sido colocado no mercado como uma autobiografia por uma autora tão jovem, sua idade também não pode ser impeditiva para que um leitor goste ou não dele, nem o fato de que ela seja uma menina, ou uma nova-iorquina, ou tenha uma vida distante da minha – ou da sua. Uma obra é boa por si, ou o inverso. Já li e vi tantas coisas, de tantos autores, de tantas vidas e enredos tão longíquos. Quando via Sex and The City, Seinfeld ou Friends eu não tinha a idade dos personagens. Quando leio Jorge Amado, eu não ando descalça correndo por dunas ou pelos paralelepípedos de Salvador. Digo isso, sim, para rebater certos argumentos que vi por aí.

Leninha na pele de Hanna
lena Dunham

Bom, vamos lá. O inicio da obra já tem um aviso bem claro: sua autora é feminista. Isso, achei muito bom. Corajoso, sem imparcialidade. Trechos que contam como ela já foi subjugada no ambiente dos negócios em Hollywood, por ser uma garota e não um homem maduro e engravatado são muito bons. É muito importante também o fato de que Lena coloca em pauta questões como a quebra dos padrões que são impostos pela mídia e corroborados pela sociedade, de beleza, juventude e sucesso. Não é preciso ter a imagem “certa” para seguir por esta vida. Por outro lado, algumas passagens, que me fizeram questionar se estamos realmente apartadas por uma tênue linha geracional, pareceram por um momento bobas e desinteressantes. Contudo, após ter visto uma maratona de Girls antes do Natal, percebi que não, o problema foi que Lena contou muito de suas experiências já vistas na série. Como quando experimenta cocaína ou consegue emprego em uma loja de roupas infantis. Eu estava lendo Lena ou Hanna? Não sei, tanto faz, mas o problema é a repetição. Afinal, conflitos da juventude, drogas, sexo, festas e desajustes comportamentais são material literário tanto quanto guerras, utopias, realismo fantástico e romances. Ou você vai contestar Fante, Kalvert e Bukowski?

Falta, entretanto, um pouco mais de firmeza na pena de Lena. Alguns assuntos são tratados de forma jogada, pueril. Não pelo tema, e sim pela forma. Foi uma impressão. Nesse ponto sim, talvez, a experiência traga mais valor à sua escrita. Alguns capítulos são rasos, crônicas, descrições dos fatos. Uma linguagem muito própria dos tempos atuais, de blogs e posts de Facebook. Até aí, problema nenhum. Mas, quando Lena deixa de se aprofundar para dar somente pequenas contribuições subjetivas, parece algo muito narcisista, de alguém que não sai da sua casca. Ainda assim, poderia ser uma obra primorosa, a primeira pessoa da narrativa pode ser narcisista, por que não? Só que carece de profundidade, de sofisticação, de desenvolvimento. Se ela fosse mais a fundo em suas próprias amarguras, talvez saísse da pasmaceira e conquistasse um estilo mais sólido. Em alguns capítulos ela chega lá, em outros não. Acho que nas telas ela se sai melhor. No livro, inclusive, ela conta que quis tratar de um assunto de abuso sexual em Girls e os demais produtores disseram, não, isso não é engraçado. Fato que até abriu seus olhos para o ocorrido. Com uma equipe, ela lapida melhor a catarse em arte, talvez?

O veredito é: o livro vale seu tempo. É bom. Três estrelas de cinco. Já a série, quatro e meia. A trilha sonora, cinco (aí embaixo, para você).

Fotos: IMDB e Facebook de GIRLS HBO</>

Três dicas rápidas para ouvir nesse verão

Três dicas rápidas para ouvir nesse verão

Postado por em jan 21, 2015 em Blog, Música | 0 comentários

Não se trata de Jack Johnson. As músicas e artistas não têm muito a ver com a estação, não remetem a sol, praia, piscina ou a uma preguiçosa rede. Bom, um dos clipes tem um clima agradável de verão sim, mas só isso. Uso o termo aqui mais para designar a temporada em que farão sucesso. Na minha playlist, pelo menos. Ficam as sugestões. Coincidentemente, todas trazem compositores para os holofotes.

1. Sia – Elastic Heart
Conheci essa cantora australiana, Sia, por indicação da minha amiga Fernanda – obrigada, querida! Sia tem uma carreira de 14 anos, porém só alcançou fama internacional quando se uniu a David Guetta para compor Titanium e a Flo Rida para fazer Wild Ones. Soa familiar? ;)

A australiana me ganhou quando fui apresentada ao clipe de Chandelier. Nele, uma garotinha de peruca platinada arrebenta de dançar. E é isso do começo ao fim. A cantora se encantou com a menina após tê-la visto no divertido reality show Dance Moms e a convidou para estrelar o vídeo. A bailarina prodígio mandou tão bem, que foi convocada para uma trilogia de videoclipes. O de Elastic Heart, o segundo e da música que acho que vai bombar, conta ainda com Shia LaBeouf que, com ou sem polêmicas no Twitter, é um ator bastante interessante. A dupla interpreta um embate visceral entre os alter egos de uma pessoa. Coloco os dois vídeos abaixo. Aguardo ansiosamente o terceiro. É um som para ouvir antes da balada, se maquiando. Ou quando estiver bem cansada do boy lixo.

Chandelier

Elastic Heart

2. Karen O – Day Go By
Essa é outra que um dia ganha um post especial como musa deste blog. Day Go By é uma canção que tem o embalo suave e sentimental de suas obras mais recentes, diferente da pegada energética no vocal do Yeah Yeah Yeahs, ainda assim tão bom quanto. Com as composições para trilhas sonoras – The Moon Song para o filme Ela e diversas faixas para Onde Vivem Os Monstros – e seu primeiro álbum solo – Crush Songs – Karen vem demonstrando a excelência de sua capacidade musical.

O clipe de Day Go By tem uma fotografia linda, uma luz de verão, um ar de férias, de romance sob temperaturas altas, música para ouvir apaixonada.

Day Go By

Foi dirigido por um casal superjovem, ela é Wanessa, americana-brasileira de 19 anos, ele Wilson, 20, francês, ambos criados em Miami e hoje morando em Nova York. Profissionalmente respondem pela alcunha de Wiissa. Em uma dica musical, você ganha também uma artística: vale acompanhar o trabalho da dupla, bem moderno, bem normcore e geração Z.

3. Mark Ronson e Bruno Mars – Uptown Funk
Olhaaa, nunca pensei que indicaria Bruno Mars no blog, essa tentativa de Michael Jackson frustrada. Porém, a música é boa mesmo. A qualidade foi alcançada graças ao produtor-magya Mark Ronson, o mesmo que trabalhou com Amy Winehouse no álbum Back to Black. Ronson compôs e produziu, Bruno só canta. O ritmo é bem groovy, funky, lembra bastante o Michael das antigas, afinal é mesmo um tributo da dupla ao R&B dos anos 80, e faz jus. Aposto que vai ser a “Get Lucky de 2015”, animando festas, baladas, churrascos e aniversários. Não à toa, está há cinco semanas no topo da parada britânica e lidera o número de streamings com 2, 45 milhões de execuções.

Além do clipe, vou colocar uma foto do Mark para reforçar como vale a pena ficar de olho em tudo dele o que ele faz. Numa analogia tosca, o moço é tipo um Pharrell Willians britânico, o que toca vira ouro, onde aparece, chama atenção.

Gato
mark_ronson_insta_1

Uptown Funk

A faixa faz parte do recém-lançado álbum Uptown Specials, para o qual Mark chamou colaboradores de peso como Stevie Wonder e Kevin Parker do Tame Impala. E a obra está todinha no Spotify:

De nada :)

Fotos: Instagram do Mark Ronson e Facebook da Karen O

Musa para ouvir

Musa para ouvir

Postado por em jan 19, 2015 em Blog, Música | 0 comentários

Compartilho uma playlist com as minhas músicas preferidas da Stevie Nicks, do tempo do Fleetwood Mac e da carreira solo. Já leu o post sobre a minha musa atual? Saiba tudo sobre ela e se inspire com a fada madrinha do rock – Taylor, Florence, Sky e Alexa a têm como ícone e referência ….

Musa: Stevie Nicks

Musa: Stevie Nicks

Postado por em dez 28, 2014 em Blog, Moda, Música | 0 comentários

Em 2014, ela voltou para o mainstream de uma forma avassaladora. Para escrever esse post, que vai tratar do estilo visual e de expressão da musa, fui pesquisar sobre sua vida, claro, e fiquei bastante impressionada com o quanto ela está em evidência. Stevie Nicks acabou de lançar um álbum solo e está em turnê – sold out – com sua banda dos anos 70, o Fleetwood Mac, o que ajuda a melhorar a exposição na mídia, mas não é só isso. São citações nos mais variados tipos de matérias e não apenas sobre seu trabalho, elogios extremados vindos de celebridades e espaços de destaque em programas populares nos EUA, como o Tonight Show e a série American Horror Story.
stevie_xale_preto
Ela nunca saiu de cena totalmente, porém o momento favoreceu o reemergir dessa mulher poderosa, que carrega além de muitas vitórias ganhadas com suor e desgaste do gogó, uma aura mística.

Glee – Landslides (2010) – Stevie foi até o set acompanhar a performance de Gwyneth Paltrow fazendo cover de sua música

American Horror Story – Seven Wonders (2014) – a musa participou da terceira temporada da série

Vivemos uma era de um despertar feminino, acredito eu, em que, finalmente, a maioria se vê como igual em uma sociedade ainda cheia de ranços patriarcais. Além disso, a cultura pop passou a destacar artistas por sua autenticidade e seu legado, na medida em que a indústria deixou de valorizar apenas o novo e o jovem. Suas músicas, principalmente da época do Fleetwood Mac, são clássicos que agradam o atual gosto Normcore. Nesse contexto, Stevie parece se encaixar perfeitamente.

Nicks tem um brilho que vem de dentro e emana, envolvendo os demais a sua volta. Sua história mostra que sucesso vem do trabalho, mas também de incorporar sentimentos à carreira, indo além de apenas lapidar emoção em arte – vide sua atribulada história amorosa, como conta a blondenoir. Além disso, a bruxa sabe que o poder aumenta na irmandade e sempre carregou consigo um clã de moças talentosas. Pergunte a Courtney Love, Sky Ferreira, Tavi Genvinson, Florence Welch e às irmãs Haim. Talento, portanto, não é nada sem magia. Rock on, gold dust women!

Stevie e as irmãs Haim
Tmagazine_haim_stevie

Bom, uma rainha do rock desse calibre só pode ser um ícone de moda. E sua estrela se reflete no estilo de suas pupilas, assim com nas coleções de marcas de roupas que abusam da pegada Boho. Nicks, contudo, não usa designers famosos. Desde o começo de sua carreira, se mantém fiel ao estilista Margi Kent e gosta de buscar peças em brechós e mercados de pulga. “Eu não queria me parecer com ninguém, por isso nunca procurei os grandes designers” (Marie Claire, 2014), explica a cantora.
stevie no palco mangao

Cabelo de leoa, chapeus, plataformas, renda, chiffon, xales, tecidos esvoaçantes, mangas-morcego, bocas de sino e babados marcam seu visual. Ela diz que o misticismo sempre fez parte de seu trabalho e, portanto, de seu figurino: “Há muito tempo, decidi que teria uma presença mística, então fiz minhas roupas, botas, meu cabelo, todo meu ‘eu’ nessa linha. Eu sempre acreditei em bruxas do bem e não em bruxas más ou fadas ou anjos” (Interview, 1998).
stevie_xale_azul
stevie mangao
stevie_vermelho

stevie_cartola
Xales e echarpes que possam se expandir no palco, como asas, tecidos leves e vestidos com pontas que criam uma imagem etérea são usados para aumentar sua figura “assim todos podem me ver até lá no fundo das arenas de shows”, (Harper’s Bazaar, 2013). Uma cantora da safra atual que imita declaradamente esse artifício é a Florence Welch, do Florence And The Machine. E o estilo de Stevie inspira muitas outras mocinhas do showbizz. Veja algumas delas:
Florence Welch
florence no palco
florence de branco

Courtney Love
Courtney Love Performs At The 1 Year Anniversary Of VINYL In Las Vegas

Sky Ferreira
sky_ferreira2

 UPDATE: A Supergingerfreak me mostrou esse vídeo da Alexa Chung cantando Blue Denim e não pude resistir em colocá-la aqui entre as pupilas da Stevie. A inglesa pode até não ter o estilo mais boho do mundo, mas o filme promove a linha de jeans que desenhou para a marca do estilista Adriano Goldschmied, ou seja, a bela acha que a vibe de Stevie ajuda a criar a imagem de moda necessária para vender suas peças. Alexa explicou em entrevista que a coleção traz o guarda-roupa jeans de seus sonhos, com peças inspiradas na estética do fim dos anos 60 e começo dos 70. Então, sim, ela se demonstra fã da musa, né?

Uma curiosidade: Stevie mantém seus vestidos mais importantes guardados em uma sala com temperatura controlada. Talvez calculadamente, uma vez que seu figurino vem servindo de referência para a indústria da moda há algum tempo. Quem sabe um dia pode ser exposto? Entre as coleções mais recentes inspiradas na cantora, está a de outono 2014 do estilista Michael Kors. Philip Lim e Jill Stuart também já desfilaram modelos inspirados na diva. Ela é musa ainda da Anna Sui, que já a apontou algumas vezes como referência de suas criações.

Phillip Lim 3.1 outono 2008
phillip_lim_3.1_fall_2008_style

Michael Kors outono 2014
michael_kors_fall_2014_fashion_trends_daily

Jill Stuart outono 2009
Jill_Stuart_Fall_2009_trendHunter

Anna Sui primavera 2014
anna_sui_spring_2015

Um de seus assessórios-assinatura é o colar com pendente de lua, que não tira do pescoço e também distribui para todas as suas pupilas, as “sisters of the moon” (as irmãs Haim ganharam os seus). O símbolo é de uma lua crescente e, apesar de Stevie nunca ter explicado o que isso significa, sabe-se que é da Deusa e da feminilidade, assim como do poder em constituição, na crença Wicca. Em “Bella Donna,” uma de suas composições, a letra diz “The lady feels like the moon that she loves…Don’t you know that the stars are a part of us?”.
2011

A legião de fãs de Stevie Nicks alimenta referências fugazes em lojas fast-fashion e também sites como gypsymoon.com e enchantedmirror.com, que oferecem chapéus, acessórios e xales como os dela. Com o perfume 70’s que a moda atual ganhou, basta um pouco de ousadia para dar mais graça na produção e quem sabe sair por aí mais poderosa, no sentido denotativo ;)
Tmagazine_Neal Preston_Corbis

stevie jovem cartola

Fotos: Marie Claire, Huffington Post, NYTMagazine, Harper’s Bazaar, 21leme e Style.com.

Três dicas rápidas do que usar em 2015

Três dicas rápidas do que usar em 2015

Postado por em dez 19, 2014 em Blog, Make-up, Moda, Tendências | 0 comentários

Adeus ano velho, chega mais 2015! Vou aproveitar o ensejo e mostrar algumas coisas que devem pegar no próximo ano. Até porque, se a gente não usa esse tipo de gancho nessa época, ninguém lê porcaria nenhuma.

De toda forma, truques para ganhar cliques à parte, fiz escolhas que acredito que estão começando a despontar e são legais. Eu, pelo menos, vou adotar. ;)

Vários brinquinhos combinados com um brincão: acho que todas as minhas amigas têm mais de um furo na orelha. Nos anos 90 era de lei. E como essa década voltou com tudo… já vi fashionistas que sigo no Instagram aderindo. Hoje em dia, as lojas de bijuterias fast-fashion até vendem brincos que é só encaixar no lóbulo, para dar o truque. Bom, eu sou a favor de ser autêntica, então, daria um pulo na farmácia.
IMG_7647

Rímel colorido: se em 2014 a moda foi brincar de deixar o cabelo parecido com um arco-íris, agora a onda vai ser colorir os cílios. Para ilustrar, escolhi a cor  mais trendy de todas, a marsala, que foi a eleita de 2015 pela Pantone. Esse rímel aí da foto, aliás, é parte de uma coleção de make oficial da Pantone, feita em parceria com a Sephora. Já está à venda nos EUA e não há informação se chega nas lojas daqui. A cor é a do vinho de mesmo nome, de procedência italiana, que tem um tom marrom-avermelhado. Acho que logo logo vai dar para encontrar versões à venda em uma loja próxima. Se tiver a fim de adquirir um já, a Vult foi a marca nacional que encontrei com mais produtos em cores inusitadas. A Givenchy lançou uma coleção de mascáras com várias tonalidades, mas, por enquanto, só chegou a azul aqui. A Quem Disse Berenice tem verde e azul. A Avon tem azul e roxa. Espero que as fabricantes e revendedoras de maquiagem corram para aderir à tendência e nos ofertar mais opções :)
rimel_marsala_sephora_pantone_FB

Anos 70: se o minimalismo e o Normcore são tendências fortes no momento, as sobreposições, a profusão de acessórios, as sandálias rebuscadas e as estampas coloridas dos anos 70 são um contraponto e um alívio para aqueles que gostam de mais emoção no look. Há algumas temporadas que coleções têm vindo com toques dessa década: acentos hippie, disco, cigano e até um pouco de bruxismo – falarei sobre um ícone desse estilo em breve… Então, pode se jogar nas pantalonas, tecidos fluidos, batas, vestidos floridos, xales e quimonos. E deixe o cabelo crescer.
anna_sui_spring 2014
Anna Sui, primavera 2014

etro_spring_2015
Etro, primavera 2015

paul_&_joe_spring_2015_pantalona
Paul&Joe, primavera 2015

*Fotos: Style.com e Pantone

Lisboa, como é boa

Lisboa, como é boa

Postado por em dez 17, 2014 em Blog, Viagem | 3 comentários

Cidade especial. Cada canto lembra algum lugar do Brasil: uma rua de bares que parece São Paulo, uma ladeira de casas coloridas como as de Olinda, um largo aberto com os do centro do Rio de Janeiro… mas, só lembra por que de igual mesmo não tem muita coisa. Talvez as pedrinhas da calçada.

O ideal é ficar lá muitos dias. Conheço pessoas que inclusive resolveram passar alguns anos. Porém, sei que a maioria vai para aproveitar as férias, então, sugiro no mínimo quatro dias inteiros. Isso, sem contar passeios para as vizinhas Cascais, Estoril e Sintra.

Onde ficar: Hotel Botânico (Rua Mãe D’água, 16-20). É ok, funciona, tem café da manhã, é bem localizado, mas não é bonito. Esse foi o que eu fiquei. Como outras capitais europeias, Lisboa tem preços mais caros de hospedagem se comparada a outras cidades, então não é tão simples achar um bom custo-benefício. O Airbnb pode ser uma saída. Nele, você procura apartamentos ou quartos nas casas das pessoas e negocia um preço que costuma ficar mais baixo do que na indústria hoteleira. E, muitas vezes, acaba sendo uma experiência superagradável.

Por onde turistar:
Lisboa Baixa: Largo do Rossio, Rua Augusta, Praça do Comércio. Essa é a parte, ÓBVIO, baixa da cidade. É também o centro fervilhante, onde todo mundo caminha rápido, sabe? Os restaurantes daqui são, em sua maioria, pega-turista. Vá até a área do Chiado ou se guie pelo Trip Advisor (tem app para o celular) para encontrar onde comer. O legal nessa área é passear a esmo, observar a arquitetura, entrar nas mil lojinhas de artesanato, louças e afins.
IMG_6607
Souvenirs que podem ser encontrados nas lojas do Baixo Lisboa

Por ali também ficam os Armazéns do Chiado, ótimos para fazer compras, sobre os quais falarei mais abaixo. Tem também a rua homônima a nossa aqui de São Paulo, a Augusta. Só que essa é mais comportada, praticamente ocupada pelo comércio. Tem Zara, H&M, Mango… termina na Praça do Comércio, um belo largo com vista para o Tejo, que mais parece um mar. Se você for seguindo pela margem do rio, chega até a zona do Cais do Sodré, e no caminho passa por bares gostosos de sentar e por um “jardim” estilizado feito por um artista local. É um passeio legal, que pode ser feito de bicicleta.
IMG_6460
Rua Augusta

bonde
Bonde que liga a parte baixa à alta
IMG_6432
“Jardim” na margem do Tejo

Antes disso, sugiro parar no MUDE (Museu do Design e da Moda) que fica na Augusta. A entrada é grátis. Tem um acervo bem bacana, que vai de Pucci a irmãos Campana, e sempre tem alguma exposição extra. Eu vi uma do André Saraiva, artista português moderno, que faz instalações baseadas na cultura pop e no grafite. Gostei bastante.
IMG_6441
Fachada do museu

Zona do Porto – Cais do Sodré: essa é a região próxima ao porto. Hoje, já não é tão movimentada por conta do comércio hidroviário, mas sim, por conta da vida gastronômica e noturna que surgiu por lá. Tem também uma importante estação de trem e metrô, de mesmo nome, com interligações para várias áreas da cidade. O Mercado da Ribeira, centro de comercialização de alimentos tradicional da cidade, foi reformulado e hoje abriga estandes de chefs renomados, assim como de restaurantes e doçarias. Imperdível! Lá perto também fica a rua cor-de-rosa, cujo pavimento é pintado nesse tom, cheia de baladas, que ferve depois das 23h.
IMG_6517
Rua cor-de-rosa

Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém: essas duas atrações estão bem próximas, por isso tome o trem (elétrico 15E) que sai da Praça da Figueira e vá às duas no mesmo dia. Uma dica: a estação Belém fica próxima à Pastelaria de Belém e não à Torre de Belém. Para chegar à Torre, desça na estação Mosteiro dos Jerónimos. Ou desça antes, coma uns três pastéis e vá andando ;) A Torre e o Mosteiro são obras arquitetônicas impressionantes. E foi da Torre que Cabral saiu para descobri o quê? Pois é, tem que ir e comer o pastel, que também é uma obrigação cultural em Portugal, não custa reforçar.
IMG_6553
Mosteiro dos Jerónimos

IMG_6587
Torre de Belém

Chiado e Bairro Alto: você pode chegar até essa região andando desde a parte baixa, mas, obviamente, terá que ter força nas canelas. Caso prefira, pegue o metrô e desça nas estações de mesmos nomes ou tome um taxi. Taxi não sai tão caro em Lisboa. Esses são bairros cheios de bares e restaurantes. Alguns lugares que valem uma passada: 1. Cervejaria Trindade (Rua Nova da Trindade 20 C), que era um convento e hoje serve cervejas e iguarias culinárias tradicionais muito boas. Os doces são feitos lá e são divinos. Aproveite para sair um pouco dos pastéis e peça um mousse de chocolate ou um pavê. Eles também são craques em mousses em Portugal, gente, descobri isso lá. Olha, se eu não voltei com diabetes foi por que Deus não quis, viu? 2. O Café A Brasileira (Rua Garrett 120) foi fundado em 1905 e vendia o melhor café brasileiro. Não fazia muito sucesso por lá até que virou ponto de encontro de grandes poetas, escritores e intelectuais da época. Na frente, tem uma estátua do Fernando Pessoa, ótima para fazer aquela foto de turista. 3. A Livraria Bertrand Chiado (Rua Garrett, 73-75) é a mais antiga do mundo em atividade. Fundada em 1732, ainda tá lá e registrada no Guinness Book. Eu fiz essa foto fofa do cachorro que não mostra nada, mas tudo bem.
IMG_6396

IMG_6469
Cervejaria Trindade

Onde comer: Mercado da Ribeira, Cervejaria Trindade, Pastelaria de Belém e restaurantes do José Avillez- Café Lisboa, Belcanto e Mini Bar.

O Mercado da Ribeira é maravilhoso! Tem opções para todos os gostos. E também dá para comprar quitutes para trazer pro Brasil. Eles estão super acostumados com isso, embalam a vácuo e tals. Dá para trazer queijo da Serra da Estrela, bombons de vinho do Porto, presunto de belota, vinhos, tem noção!? Bom, conto o que comi para ajudar na decisão de alguém, quem sabe? Experimentei o porco confitado, a salada de polvo e o cuscuz do Henrique Sá Pessoa, o menu degustação de cinco pratos da Marlene Vieira e o mousse de chocolate da Nós é Mais Bolos, cujo pão de ló também é de comer chorando. Sai por volta de 2o e poucos euros uma entrada, um prato, uma taça de vinho e uma sobremesa. Pelamordedeus viu, se eu morasse lá ia uma vez por semana.
IMG_6533
Vista do Mercado

IMG_6521
Salada de polvo

IMG_6523
Porco confitado

IMG_6614
Menu degustação da Marlene Vieira

Bom, além disso, NÃO DEIXE DE IR na Pastelaria de Belém. Vai ter um milhão de pessoas na frente, uma fila monstra para pegar os docinhos para levar, porém não se assuste. A rotatividade é alta e logo vaga uma mesa. Sente-se e prepare-se para comer pasteizinhos de nata recém-assados, que vêm com um potinho de canela e açúcar para você polvilhar na hora. O local tem um cheiro de doce no ar, uma coisa. Essa iguaria já entrou para diversas listas de melhores comidas do mundo.

José Avillez é um chef renomado em Portugal, com livros publicados e restaurantes que vão do tradicional revisitado ao moderno. Eu só fui em um, pois assim permitia o orçamento e a paciência dos meus companheiros de viagem. Fui no Café Lisboa (Largo de São Carlos, 23), que fica anexado ao Teatro São Carlos. Um lugar fofo e com personalidade, uma vez que fica num local histórico. A comida é mais simples do que na casa mais famosa, o Belcanto, e mais comida mesmo do que os petiscos oferecidos no Mini Bar. Pode parecer mega estranho o que pedi no Café, mas achei bom de verdade. Foi um pastel, igual a esses que comemos nas feiras do Brasil, recheado de carne de panela, servido com arroz de grelos (isso é só uma verdurinha irmã da couve, calma). De sobremesa, pedi toucinho do céu com sorbet de framboesa. Não foi uma refeição muito cara, só não lembro exatamente quanto custou. Sorry. Ah, é prudente fazer uma reserva. E nos fins de semana, nem pense em tentar jantar em qualquer restaurante melhorzinho de Lisboa sem uma. Tentei encontrar algum site que faça reservas online em Portugal, mas parece que essa facilidade moderna ainda não chegou lá. O jeito é ligar nos estabelecimentos mesmo.
IMG_6594
Pastel de carne com arroz de grelos

Onde fazer compras: Armazéns do Chiado, Rua Pedro V, Rua do Alecrim, Avenida Liberdade e Primark.

Os Armazéns do Chiado têm esse nome estranho, mas nada mais são do que um shopping. Fica em uma ladeira, entre a parte baixa e a alta da cidade, dentro tem Sephora, Kiko e Fnac, entre outras. Na mesma rua, tem uma H&M gigante, com a parte de home décor, que ainda é rara na Europa, Zara e Muji, uma loja japonesa de tranqueiras incríveis, tipo um secador de viagem, superpotente, de 10 cm.

A Rua Pedro V é a mais fashion da capital Portuguesa, com lojas de estilistas locais e algumas multistores conceituais, daquelas tipo Urban Outfitters e Anthropologie. Já a Rua do Alecrim, é uma que sobe do cais para o bairro alto e tem um ar mais moderninho, com lojas de roupa, de objetos para casa e galerias de artistas, bem bacana. A Avenida Liberdade é a Champs-Élysées dos portugas, com flagships de Chanel para cima, mas também algumas coisas mais acessíveis tipo Mango e COS.
alexandraamouro
Loja da Alexandra Moura, na Rua Pedro V

Por fim, a Primark é o paraíso de todos nós. Barata, com muitas opções de roupas, para todos os gostos. E quando digo barata, é baraaaaaata. Fica um pouco longe, porém, se você gosta de umas coisinhas diferentes e a preços bem legalzões, vá lá, de metrô. Fica na estação Colégio Militar, perto do estádio do Benfica. Uma ideia é: os meninos podem ver um jogo e as meninas vão comprar, que tal? Bom, eu iria ver o jogo também e depois arrastaria o boy para a loja, já que tá pertinho né.

Onde sair à noite: Na rua cor-de-rosa, que fica na área do cais, ou pelos bares do Bairro Alto.

Pode pular: Castelo de São Jorge. Eu achei sem graça.

Ufa, acho que é isso! Tem muito mais em Lisboa na real, porém, do que conheci, tá tudo aqui :)

Páginas: << 1 2 3 4 5 6 7 8 >>

 

Desenvolvido por