estantes

Não Sou uma Dessas, o livro da Lena Dunham

Não Sou uma Dessas, o livro da Lena Dunham

Postado por em jan 26, 2015 em Blog, Literatura, TV | 0 comentários

Não Sou Uma Dessas é a autobiografia de Lena Dunham, que é atriz, escritora, roteirista, diretora e produtora. Ela bateu cartão em todas essas funções no filme independente Tiny Furniture, em 2010, e atualmente na série da HBO Girls, que está em sua quarta temporada e é exibida pelo canal aqui de domingo para segunda-feira, às 0h. O show já foi indicado para todos os grandes prêmios da TV norte-americana e ganhou um Globo de Ouro de melhor comédia. A moça tem 28 anos e já fez tudo isso.
Processed with VSCOcam with t1 preset

Quando se pensa em uma biografia, logo se avalia as credenciais ou a idade do biografado para saber se a obra merecia ganhar vida. Não é? Bom, Lena já conquistou muito bastante jovem, portanto parece que rende um personagem. Mas, acho que isso não importa. Para me explicar, vou usar uma cena de sua série – não tem como não falar do programa aqui, porém prometo que serão spoilers beeeem de leve, detesto estragar a diversão alheia e espero com eles causar mais interesse e gerar fãs para as meninas.

A personagem de Lena em Girls é baseada nela própria. A dita cuja, Hanna, participa de um workshop literário e seus colegas criticam ferozmente o texto que ela apresentou, argumentando que a história era muito baseada em eventos pessoais. A professora então interrompe e diz: tudo o que entrar nessa sala será tratado como ficção.

O livro de Lena não deve ser julgado como pretensioso por ter sido colocado no mercado como uma autobiografia por uma autora tão jovem, sua idade também não pode ser impeditiva para que um leitor goste ou não dele, nem o fato de que ela seja uma menina, ou uma nova-iorquina, ou tenha uma vida distante da minha – ou da sua. Uma obra é boa por si, ou o inverso. Já li e vi tantas coisas, de tantos autores, de tantas vidas e enredos tão longíquos. Quando via Sex and The City, Seinfeld ou Friends eu não tinha a idade dos personagens. Quando leio Jorge Amado, eu não ando descalça correndo por dunas ou pelos paralelepípedos de Salvador. Digo isso, sim, para rebater certos argumentos que vi por aí.

Leninha na pele de Hanna
lena Dunham

Bom, vamos lá. O inicio da obra já tem um aviso bem claro: sua autora é feminista. Isso, achei muito bom. Corajoso, sem imparcialidade. Trechos que contam como ela já foi subjugada no ambiente dos negócios em Hollywood, por ser uma garota e não um homem maduro e engravatado são muito bons. É muito importante também o fato de que Lena coloca em pauta questões como a quebra dos padrões que são impostos pela mídia e corroborados pela sociedade, de beleza, juventude e sucesso. Não é preciso ter a imagem “certa” para seguir por esta vida. Por outro lado, algumas passagens, que me fizeram questionar se estamos realmente apartadas por uma tênue linha geracional, pareceram por um momento bobas e desinteressantes. Contudo, após ter visto uma maratona de Girls antes do Natal, percebi que não, o problema foi que Lena contou muito de suas experiências já vistas na série. Como quando experimenta cocaína ou consegue emprego em uma loja de roupas infantis. Eu estava lendo Lena ou Hanna? Não sei, tanto faz, mas o problema é a repetição. Afinal, conflitos da juventude, drogas, sexo, festas e desajustes comportamentais são material literário tanto quanto guerras, utopias, realismo fantástico e romances. Ou você vai contestar Fante, Kalvert e Bukowski?

Falta, entretanto, um pouco mais de firmeza na pena de Lena. Alguns assuntos são tratados de forma jogada, pueril. Não pelo tema, e sim pela forma. Foi uma impressão. Nesse ponto sim, talvez, a experiência traga mais valor à sua escrita. Alguns capítulos são rasos, crônicas, descrições dos fatos. Uma linguagem muito própria dos tempos atuais, de blogs e posts de Facebook. Até aí, problema nenhum. Mas, quando Lena deixa de se aprofundar para dar somente pequenas contribuições subjetivas, parece algo muito narcisista, de alguém que não sai da sua casca. Ainda assim, poderia ser uma obra primorosa, a primeira pessoa da narrativa pode ser narcisista, por que não? Só que carece de profundidade, de sofisticação, de desenvolvimento. Se ela fosse mais a fundo em suas próprias amarguras, talvez saísse da pasmaceira e conquistasse um estilo mais sólido. Em alguns capítulos ela chega lá, em outros não. Acho que nas telas ela se sai melhor. No livro, inclusive, ela conta que quis tratar de um assunto de abuso sexual em Girls e os demais produtores disseram, não, isso não é engraçado. Fato que até abriu seus olhos para o ocorrido. Com uma equipe, ela lapida melhor a catarse em arte, talvez?

O veredito é: o livro vale seu tempo. É bom. Três estrelas de cinco. Já a série, quatro e meia. A trilha sonora, cinco (aí embaixo, para você).

Fotos: IMDB e Facebook de GIRLS HBO</>

Três dicas rápidas para ouvir nesse verão

Três dicas rápidas para ouvir nesse verão

Postado por em jan 21, 2015 em Blog, Música | 0 comentários

Não se trata de Jack Johnson. As músicas e artistas não têm muito a ver com a estação, não remetem a sol, praia, piscina ou a uma preguiçosa rede. Bom, um dos clipes tem um clima agradável de verão sim, mas só isso. Uso o termo aqui mais para designar a temporada em que farão sucesso. Na minha playlist, pelo menos. Ficam as sugestões. Coincidentemente, todas trazem compositores para os holofotes.

1. Sia – Elastic Heart
Conheci essa cantora australiana, Sia, por indicação da minha amiga Fernanda – obrigada, querida! Sia tem uma carreira de 14 anos, porém só alcançou fama internacional quando se uniu a David Guetta para compor Titanium e a Flo Rida para fazer Wild Ones. Soa familiar? ;)

A australiana me ganhou quando fui apresentada ao clipe de Chandelier. Nele, uma garotinha de peruca platinada arrebenta de dançar. E é isso do começo ao fim. A cantora se encantou com a menina após tê-la visto no divertido reality show Dance Moms e a convidou para estrelar o vídeo. A bailarina prodígio mandou tão bem, que foi convocada para uma trilogia de videoclipes. O de Elastic Heart, o segundo e da música que acho que vai bombar, conta ainda com Shia LaBeouf que, com ou sem polêmicas no Twitter, é um ator bastante interessante. A dupla interpreta um embate visceral entre os alter egos de uma pessoa. Coloco os dois vídeos abaixo. Aguardo ansiosamente o terceiro. É um som para ouvir antes da balada, se maquiando. Ou quando estiver bem cansada do boy lixo.

Chandelier

Elastic Heart

2. Karen O – Day Go By
Essa é outra que um dia ganha um post especial como musa deste blog. Day Go By é uma canção que tem o embalo suave e sentimental de suas obras mais recentes, diferente da pegada energética no vocal do Yeah Yeah Yeahs, ainda assim tão bom quanto. Com as composições para trilhas sonoras – The Moon Song para o filme Ela e diversas faixas para Onde Vivem Os Monstros – e seu primeiro álbum solo – Crush Songs – Karen vem demonstrando a excelência de sua capacidade musical.

O clipe de Day Go By tem uma fotografia linda, uma luz de verão, um ar de férias, de romance sob temperaturas altas, música para ouvir apaixonada.

Day Go By

Foi dirigido por um casal superjovem, ela é Wanessa, americana-brasileira de 19 anos, ele Wilson, 20, francês, ambos criados em Miami e hoje morando em Nova York. Profissionalmente respondem pela alcunha de Wiissa. Em uma dica musical, você ganha também uma artística: vale acompanhar o trabalho da dupla, bem moderno, bem normcore e geração Z.

3. Mark Ronson e Bruno Mars – Uptown Funk
Olhaaa, nunca pensei que indicaria Bruno Mars no blog, essa tentativa de Michael Jackson frustrada. Porém, a música é boa mesmo. A qualidade foi alcançada graças ao produtor-magya Mark Ronson, o mesmo que trabalhou com Amy Winehouse no álbum Back to Black. Ronson compôs e produziu, Bruno só canta. O ritmo é bem groovy, funky, lembra bastante o Michael das antigas, afinal é mesmo um tributo da dupla ao R&B dos anos 80, e faz jus. Aposto que vai ser a “Get Lucky de 2015”, animando festas, baladas, churrascos e aniversários. Não à toa, está há cinco semanas no topo da parada britânica e lidera o número de streamings com 2, 45 milhões de execuções.

Além do clipe, vou colocar uma foto do Mark para reforçar como vale a pena ficar de olho em tudo dele o que ele faz. Numa analogia tosca, o moço é tipo um Pharrell Willians britânico, o que toca vira ouro, onde aparece, chama atenção.

Gato
mark_ronson_insta_1

Uptown Funk

A faixa faz parte do recém-lançado álbum Uptown Specials, para o qual Mark chamou colaboradores de peso como Stevie Wonder e Kevin Parker do Tame Impala. E a obra está todinha no Spotify:

De nada :)

Fotos: Instagram do Mark Ronson e Facebook da Karen O

Musa para ouvir

Musa para ouvir

Postado por em jan 19, 2015 em Blog, Música | 0 comentários

Compartilho uma playlist com as minhas músicas preferidas da Stevie Nicks, do tempo do Fleetwood Mac e da carreira solo. Já leu o post sobre a minha musa atual? Saiba tudo sobre ela e se inspire com a fada madrinha do rock – Taylor, Florence, Sky e Alexa a têm como ícone e referência ….

As mais bem vestidas do Globo de Ouro

Postado por em jan 12, 2015 em Cinema, Make-up, Moda | 0 comentários

Gente, esse post é praticamente uma conversa de Whatsapp. “Amiga, tá vendo o Golden Globes? Olha esse vestido da menina do 50 shades que qué isso? Morri”. Tipo assim. Tem minhas opiniões após intenso debate com as colegas. Colocarei aqui as mais belas e TENTAREI dar umas dicas que a gente pode trazer para a vida real – dentro do possível, considerando que não somos clientes da Maison Chanel (né???). Isso porque, em breve, estarei aprofundando meus conhecimentos em consultoria de estilo e estou muito me achando empolgada.

Vamos por cores, afinal, as cartelas dominantes ficaram bem definidas.

1. As prateadas
Essas lideram a lista, pois foram também minhas favoritas. E já que a melhor atriz de drama está nesse grupo e ela é musa (merecia um post especial aqui hem) e o vestido é lindo e ela nunca erra, foi a mais linda na minha opinião. E a Dakota Johnson, que daqui a um mês estará dando vida a Anastasia Steele em Cinquenta Tons de Cinza, estreou muito bem nos red carpets, toda reluzente. Metalizados vão bombar. O prata, mais fácil de usar, tanto de dia quanto de noite, deverá ser o mais visto por aí. A Zara já tem shortinho, saia… se joguem.

Julianne Moore de Givenchy – top 1 no red carpet, levou também um Globo de Ouro como melhor atriz de drama em longa-metragem.
Julianne Moore

Dakota Jonhson de Chanel – top 2
Dakota Johnson

Reese Witherspoon de Calvin Klein – tá simples, mas tá no revival minimalista, gostei. E ela vai estrelar um filme que me interessa, então estou simpatizando desde já com a moça. Dica: o tomara-que-caia valoriza o colo e, salvo mulheres com ombros muito largos, dá leveza e uma impressão de magreza, pois ressalta os ossinhos dessa parte do corpo. Muitas estrelas abusaram do modelo nesse Globo de Ouro.
Reese Witherspoon

2. As amarelas
Quem ousa vestir amarelo e fica bem, ganha meu coração. E quando são atrizes que eu gosto, it’s a match! Muito amor, viu. Amarelo é uma cor que assusta e, geralmente, é associada ao calor e à pele bronzeada. Eu sou bem branquinha e tenho dois vestidos amarelos que sempre ganham elogios, um deles é de manga comprida, usava com meia preta fio 40, no inverno. Acho que a cor é ótima e cai melhor do que as pessoas imaginam.

Leslie Mann de Kaufmanfranco, lindíssima – uma marca que nunca tinha ouvido falar, porém descobri que veste de um tudo muitas garotas em Hollywood. O slogan é  “the new sensualists”. Socorram.

Leslie Mann

Naomi Watts de Gucci, com colar MARA $$$ da Bulgari. O design de serpente é exclusivo da marca e a peça é de diamantes 76 quilates.
Naomi Watts

3. As vermelhas
Vermelho tem aparecido com muita frequência nos red carpets desde o ano passado. Sem medo de se misturar ao cenário, as atrizes estão investindo mesmo na cor. Eu acho que valoriza todos os tons de pele e dá um toque quente a persona. Em acessórios vai bem também. Todo um espanholismo sangre latino – em breve post sobre isso :)

Taylor Schilling de Ralph Lauren – top 5
Taylor Schilling

Jane Fonda de Versace – aos 77 anos mostra o lado exuberante da década de 90, que só o saudoso Gianni soube fazer naquele tempo.
Jane Fonda

Helen Mirren de Dolce & Gabbana – senhora elegância é seu nome
Helen Mirren

Lena Dunham de Zac Posen – mostrou que é possível fazer jus ao seu status no showbizz e se vestiu bem dessa vez
Lena Dunham

Allison Willians de Armani – amiga da Lena em Girls e na vida real, bela, de saião rodado, sem parecer um emoji
Allison Willians

4. Marsala
Jessica Lange de J. Mendel – com a cor do ano, só podia ser a mulher do ano, da década, da vida. Te amo. hahaha
Jessica Lange

5. Black & Pants
Emma Stone de Lanvin – top 3, foi de macacão, linda, gata, invejo, um dia vou ter esse cabelo. Lanvin, aliás, frequentemente veste as queridas de Hollywood como ela e Natalie Portman. Anotem aí para o dia em que forem a uma premiére hahaha. Sem brincadeira, macacão é peça para usar já! Corram. Pode ser de calça curta nesse verão de 40 graus, o macaquinho. E as duas aqui merecem um momento close no make.
Emma Stone

Emma fez um olho lindo, esfumado pesado azul escuro, com lápis Chanel Stylo Yeux Marine e combinou com um batom Revlon (ela é garota-propaganda da marca) Ultra HD na cor Iris – não tem no Brasil :(.

emma make

Lorde de Narciso Rodriguez – top 4 e me faz botar fé na geração Z. O look todo pode ser imitado. Barriguinha à mostra pode ser um problema, mas a cintura alta ajuda na produção. Vejam que ela mostra só uma faixa de pele. Make e cabelo são tendência forte. Amo. O colar de diamantes, de 100 quilates, competindo com o da Naomi, é Neil Lane.
lorde

O batom da Lordinha não foi roxo, mas foi lindo mesmo assim. Um tom de vermelho aberto da Kat Von D, o Studded Kiss Lipstick na cor Countess (não tem no Brasil). E o cabelo bem minimalista, frente baixa e “colada”, com rabo bem liso.

Lorde  make Lorde cabelo

6. Branco, off white e afins

Kate Hudson de Versace – top 6, por que no meu ranking eu coloco quantas eu quiser. Com um design inspirado nas coleções dos anos 90 da grife italiana, Penny Lane mostrou que tá abalando 14 anos depois. Dica quente: recortes verticais e assim meio desenhando a cintura, causam ilusão de ótica mesmo, dando forma de “violão”ao corpo. Stella McCartney fez um vestido assim há algumas temporadas que vendeu que nem banana para as celebridades.
Kate Hudson

Sienna Miller de Miu Miu – ela já foi um ícone de estilo bem mais relevante. Ultimamente tá meio sem graça. Porém, esse vestido era diferente, tinha fofura, tinha sensualidade, era cool. Ponto para ela.
Sienna Miller

Jemima Kirke de Adam Lippes- sei que vai gerar controvérsias, mas gostei do look space oddity. A atriz de Girls é divertida, jovem, moderna, tinha que vestir algo edgy sem ser forçado. O red carpet precisa de mais emoção desde Bjork.
Jemima Kirke

7. Estampadas
Lupita Nyong’o de Giambattista Valli – eu vi que a internet já achou um Bom Ar parecido com o vestido, mas gostei. A cor favorece, o modelo tem aplicações, pregas, movimento, graça. A mulher mais bem vestida de 2014 (segundo um monte de publicções especializadas em moda) continua com bom desempenho.
Lupita Nyong’o

Ana Kendrick de Monique Lhuillier – com uma cartela de cores que passa pelo Marsala, o modelo tem glamour, pouco visto esse ano, vestiu bem e combinou com o estilo da atriz. Mostrou que as petites também podem ficar belas em vestidos com saia mais aberta e volumosa. O decote em V alonga o tronco e a cintura marcada com um adereço fino ajuda a verticalizar e afinar a silhueta.
Anna Kendrick

Bom, acho que é isso. Não! Falta dizer o que não fazer. Nunca, nunca isso:

Keira Knightley de Chanel – se tiver oportunidade de usar um Chanel em um tapete vermelho, faça como a fofíssima do Cinquenta Tons de Cinza: escolha o mais bonito. Errar com um CHANEL é perder o bilhete da loteria. E meu coração se partiu ao ver essa coisa com gola de palhaço que ela vestiu. Ainda mais, porque a atriz sempre aparece tão bela. WTF?
Keira Knightley

Fotos: Getty Images Jason Merritt e John Shearer/Invision/AP

 

Desenvolvido por